ANÁLISE: Ela

26 02 2014

Pode-se afirmar que Ela se passa num futuro não muito distante onde a presença da tecnologia será ainda maior que nos dias atuais. Mas esqueça botões e cliques. Até o modo touch – tão em voga hoje – será pouco utilizado. Todo contato homem-máquina será feita através de comando de voz. Em vez de vários equipamentos e gadgets, teremos um aparelho central sincronizando o computador pessoal em casa com o nosso protótipo de celular fora dela.

Conhecemos parte desse mundo acompanhando a rotina do solitário Theodore (Joaquin Phoenix, O Mestre e Johnny & June) que trabalha ‘redigindo’ cartas para terceiros. Como dito anteriormente, nada de teclas e nem canetas, Theodore dita o texto e o computador trata de escreve-lo, ou melhor, digita-lo. No caminho de casa, ele vai recebendo informações sobre e-mails recebidos recentemente ou notícias gerais pelo fone de ouvido, assim como troca as músicas que quer ouvir sem utilizar um único dedo. Em casa, o videogame é um belo exemplo de imersão, onde o ambiente gráfico do jogo se funde com o espaço de sua sala de estar.

Parece ser um mundo perfeito e bastante divertido, não? Parece, mas não é. Não para Theodore, que cumpre todas as suas obrigações no chamado piloto automático e não demonstra alegria em momento algum. Optar por ouvir músicas melancólicas também é um bom indício de que algo não esteja bem.

Numa certa manhã, como qualquer outra, Theodore é convidado a instalar uma atualização do sistema operacional em seu computador. A nova versão do software é um novo modelo baseado na inteligência artificial, que faria muito mais do que ler os caracteres na tela. Seria capaz de interagir com seu ‘dono’, elevando a um patamar impensável o relacionamento entre  o homem e seu computador.

Não poderia haver nada melhor para Theodore nesse momento por qual ele passava. Se dias atrás ele se encontrava solitário, agora tinha a presença quase onipresente da voz de Scarlett Johansson (Encontros e Desencontros e Os Vingadores) o auxiliando no dia-a-dia: na redação de sua cartas como corretora e aperfeiçoadora de textos, nas pequenas escolhas corriqueiras, nos relacionamentos com outras pessoas. Tudo a partir de uma habilidade descomunal de processamento de dados que consegue, por exemplo, escolher o seu próprio ‘nome’ acessando uma lista com mais de 180 mil possibilidades em frações de segundo. Algo impossível para qualquer humano.

Nesse relacionamento improvável que começa a ser construído descobrimos o que tanto afligia Theodore: a sua recente separação com a ex-mulher Catherine (a irreconhecível Rooney Mara, se você a conhece apenas a partir de Millenium: O Homem que Amava as Mulheres). Um casamento que tinha tudo para dar certo se não fosse a extrema dificuldade dele no relacionamento com outras pessoas. Joaquin Phoenix consegue transmitir bem esses traços de seu personagem que não cede de seu egoísmo e de seus modos e acaba sufocando, anulando a sua ex-parceira na relação. Catherine não suportou a insegurança dele percebendo que o modo seco de agir do, até então, marido não deixaria o casamento prosperar.

Ao mesmo tempo em que conhecemos esse lado pouco amistoso de Theodore, também não deixamos de verificar a sua fragilidade como ser humano, criando-se assim uma empatia muito grande com o personagem que em nenhum momento põe maldade em suas intenções com Catherine ou qualquer outra pessoa. Os flashbacks dos momentos felizes do casamento do redator de cartas solitário mostram o quanto esse sofre (na realidade ambos sofrem) com a separação. Se naturalmente Theodore já apresenta muita dificuldade em lidar com as pessoas, dolorido por dentro e sentindo saudades de Catherine, a situação só tende a piorar. E não há auxílio que Samantha possa oferecer (o sistema computacional até tenta) que resolva isso.

O novo sistema operacional a partir de Samantha torna-se então perfeito para Theodore eliminando a característica com a qual ele não consegue lidar numa relação a dois: o fator humano. Assim, a premissa absurda de Ela à primeira vista, torna-se totalmente plausível com o desenrolar da trama e o diretor e roteirista Spike Jonze (diretor do lindo Onde Vivem os Monstros e Quero Ser John Malkovich) acerta ao colocar os dois lado da moeda na história, criando ainda mais verossimilhança a história: a amiga Amy (Amy Adams, Trapaça e O Homem de Aço) não só compreende Theodore como também cria laços afetivos e com um sistema operacional de outrem, enquanto Catherine e demais amigos veem essa relação como uma grande maluquice.

O filme Ela fascina não apenas pelo desenvolvimento de personagem que oferece – e conta com a competência de Joaquin Phoenix para tanto -, mas também pela construção crível de um mundo com as tais características descritas aqui e pensando em todas as possibilidades que elas poderiam criar. O desfecho é igualmente satisfatório, afinal aquilo que falta em Theodore e que Samantha (e os demais sistemas operacionais) possuem em excesso impedem (felizmente ou não?) um futuro baseado em ‘casamento’ de homens e mulheres com seus computadores: o amadurecimento dele e a evolução desenfreada dela. Questionamentos que perduram após a sessão e fantásticos são os filmes que provocam isso em seus espectadores.

NOTA: 5/5

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




PALPITEIRO BRASILEIRO

Campeonato dos Palpiteiros - Temporada 2017

Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Abraccine - Associação Brasileira de Críticos de Cinema

Site com atividades e informações sobre a associação que reúne profissionais da crítica cinematográfica de todo o Brasil

Sinfonia Paulistana

um novo olhar

%d blogueiros gostam disto: