19º Festival É Tudo Verdade | dia 02

8 04 2014

etv2014

EIXO ÓPTICO (Rússia, 2013) – Esse documentário russo é dos típicos casos em que a premissa é interessante, mas a execução deixa a desejar.

A ideia de retratar as diferenças culturais, sociais e tecnológicas entre os 100 anos que separam a Rússia atual daquela registrada pelo fotógrafo Maxim Dmitriev é interessante. Para tanto a diretora Marina Razbezhkina utiliza gigantescas fotos em preto-e-branco, e nos mesmos cenários com ajuda de personagens análogos, tenta reconstruir a mesma visão (mais contemporânea) da fotografia.

Só que ao invés de se limitar ao contraste entre as fotografias, o documentário passa a se focar mais e demoradamente nos novos e desconhecidos personagens tornando o projeto longo e cansativo em excesso.

NOTA: 1/5

BERNARDES (Brasil, 2013) O brasileiro Sérgio Bernardes foi um arquiteto, que pertencendo à mesma leva de profissionais de calibre como Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, tinha uma visão e ambição muito além da época em que vivia. Com um talento nato para a arquitetura, um dom que desenvolvia desde pequeno, era tanto a sua criatividade que muitos de seus projetos (grande maioria deles residenciais no início da carreira) chegavam a ser confundidos com os de Niemeyer.

Além de criativo, Bernardes também era visionário. Evidências não faltam. Sejam aquelas espalhadas pelo território brasileiro (residências pelo estado carioca como a residência da família do arquiteto ou a do cirurgião-plástico Ivo Pitanguy), o Tropical Hotel Tambaú em João Pessoa (localizado no extremo oriente do litoral brasileiro e seus detalhes minuciosos únicos), o Pavilhão São Cristóvão no Rio (mesmo desfigurado sem a cobertura original, que exigia alto investimento em manutenção) ou no exterior, com o Pavilhão Brasil em Bruxelas cujo balão vermelho exercia diferentes funções conforme o clima. Mas muitos outros tesouros, fruto da mente de Bernardes, podem ser descoberta nos documentos deixados por seu extinto escritório.

Por outro lado, o documentário também retrata com propriedade os motivos pelos quais Sérgio Bernardes é um nome ignorado pela arquitetura contemporânea brasileira. Bernardes trabalhava com muito afinco, “inventando coisas sem parar”. Tinha em mente algo que falta a nossa política desde sempre: um planejamento em longo prazo em seus projetos, vislumbrando um Rio de Janeiro organizado em vários micros distritos e um Brasil futurista servido nacionalmente por grandes vias fluviais. O trabalho do arquiteto funcionava constantemente assim, em larga escala. E com o advento do golpe militar em 1964, havia um ambiente propício para a realização dessas grandes obras, o mais próximo possível que esse grande trabalho de Bernardes teve de sair dos papéis e virar algo, digamos, concreto.

Uma grande injustiça! O modo de viver intenso de Sérgio (que sabia aproveitar como ninguém a vida e oferecia isso em seus projetos residenciais de alto-padrão), não o permitia se entregar às picuinhas e burocracias que permeavam e ainda permeiam o nosso mundo político. Ele não tinha nenhuma vocação para isso. O que realmente  jogou contra o reconhecimento da genialidade de Sérgio Bernardes foi sua ambição desenfreada e sua ingenuidade política, que em conjunto, colocaram o arquiteto fora das quatro linhas do campo da arquitetura brasileira. Erro histórico que pesquisas acadêmicas em cima de seus milhares projetos e desenhos poderão corrigir e, assim, recolocar o nome de Sérgio Bernardes em destaque novamente.

NOTA: 5/5

AI WEIWEI: O CASO FALSO (Dinamarca, 2013) – Tem como protagonista Ai Weiwei, artista plástico e designer arquitetônico chinês, que viveu um inferno jurídico ao ser acusado pelo governo chinês de ser subversivo, principalmente por suas atividades virtuais e ser considerado um grande influenciador político.

Para exercer a sua censura, o governo chinês utiliza-se de várias artimanhas para prender Weiwei e assim calá-lo, já que respondia os processos em prisão domiciliar. Valia tudo, até acusações de algo que não existe na China (sonegação fiscal) ou pornografia em uma das fotos de nudez que tem a participação do artista. A perseguição política, inclusive, é algo recorrente na família dele. Seu pai sofreu a mesma pressão em 1957.

Conhecido pela sua participação na construção do Ninho de Pássaro, o Estádio Nacional, para as Olimpíadas de 2008, Weiwei contou com grande apoio popular de chineses e de seus amigos artistas e/ou da imprensa internacional nesse período. Ao mesmo tempo em que enfrentava o furor do maniqueísta poder judiciário chinês, o artista tratava de abordar artisticamente o que vivenciara. Enquanto era “perdoado” pela justiça, as peças que retratavam o interrogatório e sua breve passagem pela cadeia deixavam o país clandestinamente, rumo a Bienal de Veneza.

NOTA: 4/5

TUDO POR AMOR AO CINEMA (Brasil, 2014) O Cine Livraria Cultura no Conjunto Nacional em São Paulo, pelo festival É Tudo Verdade, sediou no último domingo (dia 06/04), a segunda exibição nacional do documentário Tudo por Amor ao Cinema, que foi a sessão de abertura do mesmo festival na cidade do Rio de Janeiro. A sessão contou com a participação do idealizador do evento, Amir Labaki, com o diretor Aurélio Michiles e parte de sua equipe (técnica e de elenco).

Amir Labaki (a esq), Aurélio Michiles (ao centro com microfone) e parte da equipe do doc Tudo pelo Amor ao Cinema

Amir Labaki (a esq), Aurélio Michiles (ao centro com microfone) e parte da equipe do doc Tudo pelo Amor ao Cinema

A missão era documentar a vida do amazonense Cosme Alves Netto, curador da Cinemateca do Museu de Arte Moderna carioca, que com o seu incansável trabalho tornou-se sinônimo de restauração, conservação e propagação da cultura cinematográfica, no Rio de Janeiro e em todo o Brasil. Algo construído a partir do seu garimpo nos arquivos censurados pela ditadura militar (e eram salvos da destruição por ele) e em outras cinematecas internacionais que por ventura poderiam conter qualquer obra brasileira que fosse.

Com seu poder de aglutinação, Cosme também criou um celeiro de novos cineastas brasileiros, frequentadores assíduos da Cinemateca gerenciada por ele e do Cine Paissandu, importante cinema de arte carioca. Sua atuação contribuiu de duas formas para o Cinema brasileiro: a histórica, com a preservação de filmes raros, e pelo fomento da produção nacional, já que seus amigos viriam a consolidar o mercado doméstico cinematográfico no Brasil com suas obras.

Um personagem de fundamental importância para o nosso Cinema, sem dúvidas.

NOTA: 5/5

Anúncios




19º Festival É Tudo Verdade | dia 01

6 04 2014

etv2014

CONTINUO SENDO (Peru e Espanha, 2013) – A música típica peruana sobrevive ao mundo globalizado com os acordes de seu violino; com a sua harpa estilizada; com o instrumento da tesoura em sincronia com os passos de dança; com os movimentos do seu sapateado, mais acostumado a poeira do chão de terra do que com o tablado dos palcos e com as vozes potentes de suas mulheres, que destacam mais que os homens.

Natural que essa música sobreviva a globalização. O povoado, isolado aos pés dos Andes, não há interferência do rádio, da televisão e muito menos da internet, o principal meio de comunicação da atualidade que aplaca a cultura local e universaliza a ocidental e seu viés pop.

Mas interessante observar que essa veia artística não se apaga nos filhos e netos que deixam o distante lugarejo e vão à capital, Lima, em busca daquilo que falta no local em que nasceram: comida, água e condições melhores de vida. Mesmo tendo contato com as diferentes facetas que a cidade grande possui, eles já adultos retornam à comunidade para celebrar as tradicionais celebrações e sua musicalidade marcante. Se a idade avançada prejudicar o deslocamento, uma reunião entre eles em um beco qualquer de Lima é capaz de reconstruir a atmosfera interiorana em que nasceram.

Uma riqueza de movimentos, tonalidades, passos e acordes que sobrevivem arduamente pelo isolamento geográfico e pela perseverança daqueles que o praticam.

NOTA: 3/5

A CORRIDA DA ARTE (França, 2013) O mundo da Arte já não é mais o mesmo. Numa economia onde os novos ricos surgem em larga escala e querem, a todo o momento, ostentar a sua fortuna, o mistério da venda inflacionada de quadros em leilões internacionais é o que o documentário francês A Corrida da Arte pretende desconstruir.

Em seus momentos iniciais vemos uma típica cena desse lucrativo mercado: uma pintura é oferecida em um leilão e os lances surgem: 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24,  25, até o arremate final de 26 milhões de euros. Mas o que não é revelado é o que há por trás disso. Uma especulação sem limites que vem de todos os lados: de quem vende, de quem organiza as feiras de arte e os leilões e até mesmo de quem compra. Certos nomes desse mundo tem o poder (incompreensível) de inflacionar o valor de uma obra que pode chegar até mais de um milhão de dólares por ano.

A Arte saiu do Velho Continente e tornou-se um negócio global e ainda mais rentável. A Arte Contemporânea atinge novos mercados – asiáticos (China, Hong Kong, Cingapura), americano, árabe (Dubai) e, inclusive, brasileiro. Feiras internacionais de arte ocorrem no mundo inteiro a todo instante, atraindo excêntricos compradores dispostos a pagar qualquer preço apenas pelo prazer de possuir uma pintura de grife. Inclui-se aqui compradores individuais e até instituições.

O que mais impressiona, no entanto, é que muitas vezes o bom gosto é posto de lado nessas transações.

NOTA: 4/5





OSCAR 2014 – Cobertura Completa

2 03 2014

Chegou a hora! Cinéfilos de todo o mundo se reúnem e torcem pelos seus favoritos na maior festa do cinema mundial: a 86ª edição da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, o Oscar!

Esse ano, Clube de Compras Dallas, Ela, Nebraska, Philomena, Capitão Phillips, O Lobo de Wall Street disputam a categoria de melhor filme com os francos favoritos: Gravidade, Trapaça e 12 Anos de Escravidão, que possuem a maior quantidade de indicações!

Então, o Universo E! convida a todos a nos acompanhar na cobertura do Oscar 2014. O endereço você já sabe qual é, o nosso Twitter: http://twitter.com/universo_e! (última atualizações do perfil ficam na coluna à sua direita)

And Oscar goes to…





Os preparativos para o Oscar 2013

22 02 2013

Antes mesmo da cerimônia ocorrer nesse domingo, o Universo E! já está fazendo a sua maior cobertura de um Oscar. A festa desse domingo irá começar depois de não só conferirmos praticamente todos os indicados a melhor filme, como também todos contarem com suas respectivas análises por aqui. Ocorreu com Argo, Lincoln, Amor, Django Livre e O Lado Bom da Vida. Os Miseráveis (em andamento) e A Hora mais Escura (em breve) receberão as suas análises. As Aventuras de Pi foi visto mas não será comentado e Indomável Sonhadora ficará pendente, podendo ser visto e criticado antes do domingo ou não.

Um esquema especial será montado ao longo do domingo e especialmente já no finalzinho da tarde. O nosso Facebook e nosso Tumblr farão a pré-cobertura ou de qualquer novidade que surja ao longo do dia e o Twitter, como sempre, ficará responsável pela cobertura completa da festa durante o seu andamento (aproveite para seguir e curtir nossas páginas nas redes sociais). As repercussões, é claro, ficarão nos post pós-Oscar 2013. As atualizações ao vivo dos tweets estarão disponíveis na coluna a direita do site, que ganhará destaque com maior espaço para a facilitar a leitura.

oscars

A empolgação está a mil. Só precisaremos contar com a sorte de não ocorrer nenhum dilúvio domingo a noite e internet e energia elétrica estejam 100%. Estamos preparando aquilo que será a maior cobertura já feita por aqui!

E claro, mais uma vez, contamos com a sua participação e os seus comentários. O Universo E! na maior celebração do cinema mundial!!!

Até breve!





RETROSPECTIVA 2012 – parte 2

28 12 2012

JULHO – O segundo semestre de 2012 começou com uma crítica a distribuidora Columbia Pictures que, iniciando as vendas para a sessão de pré-estreia a meia-noite para  O Espetacular Homem-Aranha, resolve numa grande picaretagem, abrir pré-estreias regulares ao longo da semana de estreia. E sem nenhum aviso prévio acaba cancelando as sessões da meia-noite. Mas mesmo assim, o fraco longa do aracnídeo protagonizado por Andrew Garfield (A Rede Social e Não me Abandone Jamais) ganhou a sua análise.

Carly Rae Jepsen, dona de um dos grandes hits de 2012: Call me Maybe!

Carly Rae Jepsen, dona de um dos grandes hits de 2012: Call me Maybe!

Uma desculpa recorrente ao longo do último semestre foi o ‘vazio criativo’ na elaboração de novos posts para o Universo E!. Para manter o blog porcamente atualizado, um dos métodos mais utilizados por mim é partir para as músicas. Em julho os hits de Rihanna (Where Have You Been), Carl Rae Jepsen (Call me Maybe) e The Wanted (Chasing the Sun) foram os escolhidos para, popularmente dizendo, tapar o sol com a peneira, ou seja, colocar algum conteúdo novo por aqui quando a criatividade não ajuda.

Para finalizar este mês tivemos o triste incidente que manchou a estreia da conclusão de uma das mais bem-sucedidas franquias baseadas em super-heróis com o massacre da cidade de Aurora nos EUA, durante uma sessão de pré-estreia do filme Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge, vitimando 12 vidas inocentes…

Cena de Um Evento Feliz, com o ator Pio Marmaï (esq), que também protagonizou o francês Alyah

Cena de Um Evento Feliz, com o ator Pio Marmaï (esq), que também protagonizou o francês Alyah

AGOSTO – Foi um mês de felicidade extrema com a realização do Festival Varilux de Cinema Francês 2012. Dos 17 filmes inéditos exibidos, o Universo E! comentou sobre 11 filmes: A Filha do Pai, A Vida vai Melhorar, Um Evento Feliz, Intocáveis, Paris-Manhattan, Aqui Embaixo, My Way – O Mito além da Música, E Agora, Aonde Vamos?, O Monge, Alyah e Políssia. Realizamos assim a maior cobertura até aqui de um festival de cinema, em quase um mês inteiro dedicado a este evento (dia 01, dia 02 e considerações finais), uma vez que foi finalizado com algumas análises sendo postadas em setembro.

SETEMBRO – O ano de 2012 pode ser marcado como um ano de extremos. Saímos de um mês de grandes alegrias para um setembro de grandes perdas tanto para o Cinema quanto para a cultura brasileira: perdemos o ator Michael Clark Duncan, dia 03  (À Espera de um Milagre) e a apresentadora de televisão Hebe Camargo, dia 29. E foi também no funeral da comunicadora que obtivemos uma das imagens mais tocantes, com o selinho dado por Silvio Santos no corpo de Hebe durante o velório.

Para não ficarmos apenas nos fatos tristes, o Google comemorou o 46º aniversário de Star Trek com um doodle muito bem produzido e tivemos o anúncio das vendas antecipadas para o filme de conclusão da saga Crepúsculo: Amanhecer – parte 2.

OUTUBRO – Mais uma evidência de como a criatividade andou em baixa por aqui com apenas duas atualizações, no primeiro e no último dias do mês: no primeiro dia foi mais uma edição de A Rede pelo Twitter alertando sobre um possível retorno da girl band Rouge. Ficou reservado para o último dia de outubro o anúncio da venda da Lucasfilm para a Walt Disney Company, um negócio feito por George Lucas, o fundador, e pegou a todos de surpresa. Foi engatilhado junto com a venda o início da produção de um sétimo filme baseado na saga de Star Wars.

NOVEMBRO – Mais um comentário sobre o interessante exercício de associar uma música à um livro, o que digo sempre, enriquece a sua experiência literária. O livro da vez foi A Menina que Roubava Livros. Música: Shadow of the Day, do grupo Linkin Park, mas na versão dos meninos do Boyce Avenue.

Em novembro tivemos a conturbada informação sobre as vendas de ingressos para a pré-estreia de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, que teve uma abertura inicialmente restrita a Cinemark em São Paulo e depois, gradualmente, sendo liberada em outras redes de cinema nas mais diversas cidades brasileiras. Outra excelente boa notícia foi a realização de maratona das versões estendidas dos filmes da trilogia O Senhor dos Anéis.

A rede Cinemark (apesar dos pesares) também trouxe O Hobbit em HFR e ainda promove o Projeta Brasil Cinemark nos meses de novembro!

A rede Cinemark (apesar dos pesares) também trouxe O Hobbit em HFR e ainda promove o Projeta Brasil Cinemark nos meses de novembro!

Análises dos filmes inéditos: o argentino Elefante Branco e o juvenil As Vantagens de ser Invisível. E o projeto Projeta Brasil Cinemark finalizou o mês, sendo vistos os longas Xingu e Gonzaga – De Pai pra Filho.

DEZEMBRO – Mês de festas. Mês de retrospectivas. Mês do fim do mundo. Mês de poucas atualizações. Mês reservado para falarmos sobre o problemático Moonrise Kingdom (em breve). Mês de retornamos a Terra-média com O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, inclusive com um novo formato de imagem – o HFR (high frame rate). Mês de conferirmos As Aventuras de Pi, o novo longa de Ang Lee, que em breve também ganhará sua análise por aqui.

Dezembro é o mês de agradecermos a você, caro e querido leitor, pelas visitas e pelos comentários realizados ao longo desse ano e convidá-los a continuar conosco em 2013. Afinal sua presença é essencial ao Universo E!

O UNIVERSO E! deseja a todos vocês, um feliz e próspero 2013!!!

O UNIVERSO E! deseja a todos vocês, um feliz e próspero 2013!!!

É em dezembro também que desejamos a vocês, os mais sinceros votos de felicidade, prosperidade e de grandes realizações para 2013. E que o próximo ano seja repleto de bons filmes e boas séries! Até lá!





Festival Varilux de Cinema Francês 2012 – considerações finais

14 09 2012

Com atraso, esse post abrange  os destaques que estiveram em cartaz nos dois últimos dias do Festival Varilux de Cinema Francês 2012. Entre publicar ou não esses textos pela demora, optei por compartilhar com vocês, mesmo que o Festival já tenha acabado há muito tempo!

Então, vamos lá:

O MONGE – Flertando o com o sobrenatural em alguns momentos, O Monge apresenta uma premissa interessante mas falha muito em executá-la, quando dá ênfase a trama auxiliar que mesmo dando suporte a narrativa principal, revela-se demasiadamente longa e monótona. E ao final do filme quando é revelado o propósito dessa exposição, a frustração é ainda maior com os minutos gastos com ela. Isso se levarmos em conta que O Monge tem uma duração relativamente curta para filmes históricos.

O que parecia ser um honrado e intrínseco servidor da palavra de Deus, irmão Ambrósio líder um  monastério passa a sofrer as tentações da carne, principalmente quando o mascarado Valério passa a ser integrante da comunidade católica. Desse momento até seu desfecho vemos a transformação desse exemplar católico num dos piores sujeitos para a virtude da Santa Igreja.

Infelizmente, os erros cometidos em O Monge são tantos que sua história não boa o suficiente para acobertá-los, prejudicando e muito o que poderia vir a ser uma boa experiência cinematográfica.

NOTA: 2/5

ALIYAH – Um dos filmes mais tocantes do Festival Francês esse ano. Nem tanto por sua execução ou um provável brilhantismo de sua produção, mas sim mais pelo significado de sua trama, já que podemos considerar que a mesma se inicia e se finaliza da mesma forma, alterando-se apenas alguns elementos. O que para alguns possa ser frustrante, isso foi o que mais me chamou atenção em Aliyah.

O empurro crucial que desencadeia os demais elementos da narração é o momento em que Alex Raphaelson decide abandonar Paris e seguir com o primo para Tel Aviv abrir um restaurante. Mas para tanto ele precisa, assim como os demais sócios, entrar com uma participação em dinheiro e também precisa como exigência de sua viagem para Israel, o reconhecimento de seu judaísmo, o então ‘aliyah’.

Alex, um homem maduro que seduz facilmente as mulheres, mas ainda se sente inseguro sobre o sentido e o caminho que vem trilhando. Fruto talvez da mínima influência e presença de sua família na sua vida. Morando só, ele mantem uma regular distância dos parentes mais próximos (no caso seu pai e sua tia) e é procurado frequentemente pelo irmão, mais interessado no dinheiro fácil que pode conseguir dele do que na valorização da fraternidade entre ambos.

Dessa forma, os personagens vão se cruzando em sua vida (e na tela), a medida que Alex corre para conseguir a quantia necessária de dinheiro. Essa busca o faz enveredar pela tênue linha entre o correto e o crime, já que grande parte do dinheiro vem do lucro que obtêm vendendo entorpecentes, sendo uma espécie de ‘freelancer’ do tráfico. O que era para ser apenas um adicional ao capital acaba tornando-se a fonte principal de seu investimento, uma vez que seu irmão (num ato extremamente ordinário) rouba-lhe o dinheiro que com tanto sacrifício conseguira economizar.

Nem a recente amizade com Clara, que nutria fortes e sinceros sentimentos pelo rapaz, é o suficiente para alterar seus planos de viagem. E a discussão desse relacionamento torna-se a cena mais singela e marcante de Aliyah: onde um simples guardanapo serve de pano de fundo para o resumo da relação entre eles; um resumo da vida de Alex; um resumo do filme em si. Tudo isso apresentado numa cena intimista que põe o espectador sentado na mesa, compartilhando a cena com os personagens.

Como epílogo, a produção ainda apresenta a nova rotina de Alex em Tel Aviv. Um início deveras complicado, mas que ele, paciente, saberá lidar e driblar os obstáculos que porventura vierem (ou assim desejamos). E com a angustiante sequência final – do local de trabalho até sua nova residência -, constatamos que sua solidão (agora efetiva em solo israelense) é a mesma de Paris para cá, assim como sua vida não teve nenhuma grande alteração, exceto pela mudança de cidade. Quem sabe seja aqui que Alex consiga encontrar um significado para sua vida.

NOTA: 5/5

POLÍSSIA Políssia coloca o espectador dentro da BPM – Batalhão de Proteção aos Menores – que lida diariamente com um dos piores crimes da sociedade: a pedofilia.

Rotineiramente são inúmeros os casos apresentados a esses policiais o que acarreta em muitas entrevistas com as crianças e adolescentes, vítimas de atos tão covardes, tentando extrair o máximo deles, o que obviamente não é fácil. Da mesma forma, isso ocorre também com os agressores que são na maioria das vezes, da mesma família ou muito próximos ao núcleo familiar dos menores. E as reações diante do interrogatório variam da aceitação plena da culpa (e de suas consequências) à repulsiva atitude de encarar a situação como algo normal e corriqueiro.

No trabalho em campo a coisa também não é fácil. À paisana os agentes podem observar os maus-tratos dos pais com seus filhos ou participar de operações especiais bem planejadas, seja desmantelando uma rede de exploração de trabalho infantil, seja perseguindo a uma mãe com problemas mentais que acabou sequestrando seu filho de uma creche.

Natural que ter contato diário essas situações difíceis levem os policiais a suportar um grande carga de stress. Por isso, Políssia também aborda eficientemente o lado pessoal desses profissionais onde enfrentam mais problemas… ou relacionado aos filhos (onde perdem um pouco a capacidade de tratá-los com naturalidade como num simples banho) ou relacionado aos seus companheiros.

Extremamente profissionais em ação, o relacionamento interpessoal entre os integrantes é inconstante, instável e intempestivo. Diante da pressão encontrada no dia-a-dia do trabalho, essas discussões entre eles, muitas vezes motivadas por banalidades, ganham outras proporções, seja no escritório ou na rua. E é exatamente essa mesma pressão que, numa ocasião tão corriqueira, conclua surpreendentemente o longa.

NOTA: 5/5





Festival Varilux de Cinema Francês 2012 – dia 02

23 08 2012

Esse segundo post do Universo E! destinado a cobertura do Festival Varilux de Cinema Francês 2012 concentra as resenhas dos filmes vistos durante o domingo. Um dia que retrata muito bem a diversidade da produção cinematográfica atual da França, passando da comédia romântica, passando pelo filme de época com forte influência católica e chegando ao drama.

Mais uma vez: bom divertimento!

PARIS-MANHATTAN – O primeiro filme abaixo da média no Festival até aqui. Prova de que apenas a participação especial de Woody Allen não basta para se ter um bom filme.

Fanática pelo diretor desde os seus quinze anos de idade, Alice é tão aficionada a ponto de manter diálogos mentais com um quadro na parede do seu quarto com uma foto de Allen. Ela que continua solteira em plena maturidade, contrariando as enormes expectativas de sua família e principalmente de seu pai, que tenta a todo custo arranjar-lhe um pretendente.

O ‘não-namorar’ aqui é apenas uma opção consciente dela, uma vez que Alice possui uma vida praticamente resolvida. Financeiramente, vive do faturamento da farmácia que herdou do pai, farmácia essa que oferece um serviço adicional incomum nos outros estabelecimentos de mesmo ramo: oferecer um tratamento à base de empréstimo de seus DVDs.

Victor aparece, então, como o escolhido para enfrentar as excentricidades dela e de sua família ao longo do filme, uma constante luta que inclui entender os estranhos aspectos das produções de Woody Allen que permeiam a narração. Tudo para quebrar a barreira invisível para relacionamentos que Alice impôs em sua vida. Mas o grande golpe de sorte de Victor foi contar com um encontro casual com o idolatrado diretor para ganhar, definitivamente, o coração de Alice.

Paris-Manhattan é isso. Uma sucessão de acontecimentos (com algumas tiradas engraçadas) mas sem muitos propósitos, perdendo ainda mais seu foco quando dá espaço as tramas paralelas. Funcionando muito no piloto automático, conformando-se apenas com a presença de Woody Allen,  sem cativar a necessária atenção do espectador.

NOTA: 2/5

AQUI EMBAIXO – Mostra a curva descendente da moral de irmã Luce numa França da década de 40 e um dos palcos da Segunda Guerra Mundial. Através de seus serviços de enfermagem, irmã Luce acaba conhecendo o descrente capitão Martial da resistência após esse ser ferido em combate.

A pureza e a inocência da freira se esvaem quando o rebelde infiltra-se na igreja católica para dar prosseguimento aos planos de seu grupo. Assim é inevitável o relacionamento entre eles. Com uma atitude imperdoável para os princípios católicos, irmã Luce vê sua desgraça aumentar ao flagrar a traição de Martial.

Dessa forma que ela encontra sua derradeira ruína, isolada tanto do mundo espiritual quanto do mundo físico. Para vingar-se, irmã Luce  entrega todos os envolvidos na insurgência e os locais onde estariam. Delação que a leva ser sentenciada com a pena de morte. Mesmo com a proposta de fugir para a Espanha e escapar de uma punição mais severa da Igreja Católica, ela aceita encarar seu infeliz destino de frente e de olhos abertos.

NOTA: 1/5

E AGORA, AONDE VAMOS?E Agora, Aonde Vamos? se passa num vilarejo isolado onde poucos se arriscam em sair de lá. Além de uma ponte precária servindo de único acesso, todo o percurso que leva ao vilarejo é infestado de minas terrestres. Tudo que entra ou sai dali é realizado pelo corajoso trabalho de dois jovens que se arriscam sob uma velha lambreta. Através desse veículo que chega os equipamentos necessários para a instalação dos meios de comunicação disponíveis no país: uma TV e um rádio.

Um ato tão banal quanto ligar uma televisão, por exemplo, torna-se um grande e cômico evento de pompa e circunstância com direito inclusive a discurso do excelentíssimo prefeito. Tudo porque o único lugar onde o aparelho conseguia algum sinal razoável era no topo de uma colina há alguns quilômetros de distância da comunidade, exigindo uma peregrinação dos moradores.

Esse isolamento territorial dava a oportunidade das mulheres de filtrar as notícias que vinham de fora, afastando seus esposos e filhos de um perigo maior, ainda mais que a tensão de uma guerra civil só aumentava nas fronteiras além da pequena cidade. Uma decisão extremamente racional diante de uma vila dividida entre judeus e  católicos, onde qualquer mínima provocação à uma religião desencadearia um enorme rebuliço. Essas judias e católicas unem-se para, de todas as formas, manter a guerra do lado de fora da vila.

E Agora, Aonde Vamos? é uma visão bem humorada das diferenças entre os costumes de cada religião além de revelar, alternando entre a comédia e o drama, as dificuldades de manter o cotidiano na mais pura e tranquila normalidade. E os diversos planos usados por essas mulheres são, sem dúvida, o ponto alto da produção.

O longa funciona perfeitamente como uma crítica contundente às motivações que levam a instabilidade social de toda aquela região.

NOTA: 5/5





Festival Varilux de Cinema Francês 2012 – dia 01

22 08 2012

O Universo E! apresenta agora sua cobertura do Festival Varilux de Cinema Francês 2012. As postagens serão divididas nos dias em que os filmes foram vistos (com alguma ou outra exceção). Serão resenhas rápidas detalhando superficialmente as produções que estiveram presentes no festival! Bom divertimento!

A FILHA DO PAI – Patricia, uma jovem que mora com pai, Pascal Amoretti, e suas irmãs no interior da França no final da década de 30, acaba conhecendo Jacques, filho de um comerciante local, que se encontram meio que sem querer. Do encontro repentino, o bastante para criar uma paixonite típica de adolescente, ela acaba engravidando dele e dessa gravidez que Patricia passa a sofrer as consequências do conservadorismo e do machismo da sociedade na época em que vive.

A partir desse momento ela se encontra sozinha e desamparada, uma vez que Jacques, um aviador recém-formado, fora chamado para comparecer em guerra; ela vai ter que lidar com esse fardo com o pai, uma vez com a ausência da mãe, o que dificulta ainda mais a situação. Mesmo com o seu bom humor, Pascal não deixa de ser severo com o ocorrido, mas tenta de todas as formas contornar a situação da filha sem tomar atitudes drásticas: seja procurando apoio da família Mazel ou casando a filha com Félipe, seu colega de trabalho, portador de uma inocência muito incomum para quem já passa dos seus 40 anos.

Sendo infrutífera todas essas tentativas, ele acaba mandando sua filha para morar com a irmã para fugir dos prováveis comentários da pequena localidade que vive.

O próprio tempo se encarrega de corrigir alguns erros cometidos pelas pessoas que compõe a narrativa: ao descobrir por terceiros que Patricia dera a luz a um menino (um antigo sonho seu, já que era pai apenas de garotas), Pascal aceita o retorno de sua filha para casa;  a informação de que Jacques Mazel morrera em combate, faz os pais dele se reaproximarem da família e da criança. E tudo volta aos trilhos quando a notícia da morte do rapaz é desmentida e ele retorna a França para finalizar a história de amor e selar a união das duas famílias.

NOTA: 4/5

A VIDA VAI MELHORAR  A situação não está boa para ninguém na atual França. Nem para Yann, chef de cozinha, que tenta se recolocar no mercado de trabalho e nem para Nadia, imigrante libanesa, que tenta se manter no país com o filho Slimane com o pouco que ganha em um restaurante. Um encontro repentino e casual entre os dois, leva-os a próxima etapa mais séria do relacionamento. E rapidamente, do primeiro encontro, já vemos os três desfrutando um momento de descontração.

É aqui que eles se deparam com um imóvel abandonado numa localidade aos arredores de Paris e planejam construir ali o seu próprio negócio. Sonhos e mais sonhos os levam a imaginar um futuro melhor para si mesmos, já imaginando o sucesso que o estabelecimento poderia alcançar. Sem o capital inicial necessário, Yann e Nadia entram na roda financeira dos empréstimos: o empréstimo imobiliário para compra do local e o financeiro para a necessária reforma do edifício, além de empréstimos pessoais mais arriscados, mas fáceis de obter, para conseguirem dar o sinal exigido.

Uma inspeção das autoridades municipais, entretanto, põe tudo a perder, impedindo a abertura do local e exigindo alterações no projeto que lhes custariam um dinheiro que não tinham mais. O filme passa a descumprir os bons votos de seu título: de que a vida vai melhorar.

O bom relacionamento entre Yann e Nadia começa a se desfazer com o tempo com a pressões das cobranças das dívidas, trazendo-os a um beco sem saída. Nadia aceita uma promoção no seu emprego e vai tentar a sorte em Montreal; Yann, na teimosia de não querer vender o imóvel (e ainda arcar com as dificuldades e as responsabilidades de cuidar de Slimane) com o objetivo de seguir com o planejado. Todas essas decisões causa uma angústia nos espectadores porque sequência após sequência nada parece dar certo para eles.

Esgotada todas as possibilidades de quitar o que deve, uma vez que a dívida se tornara uma verdadeira bola de neve, Yann num ato de desespero total rouba um de seus financiadores para fugir junto com Slimane para o Canadá. Mas como nada é fácil para eles, em Montreal descobrem que Nadia fora presa injustamente acusada de tráfico de drogas, motivo pelo qual não entrava em contato com o filho há meses. Agora, numa cidade totalmente desconhecida, eles terão que lutar para tirá-la da prisão ao meso tempo em que terão, se estabelecer nessa nova realidade. Do zero. E aí sim, com a esperança retratada pela cena final, melhorar de vida.

NOTA: 5/5

UM EVENTO FELIZ – conta a história de Barbara e Nicolas: um jovem casal desajustado e inconsequente (mas apaixonados) no estabelecimento da difícil vida a dois e na criação de um filho.

Na base do bom humor que conta todas as peripécias desde a gestação, do nascimento e dos primeiros meses da criança e o que isso acarreta para a vida pessoal de cada um e para a vida amorosa deles, que em troca da liberdade sem consequências da adolescência, passaram a ter as obrigações e as burocracias de uma família recém-estabelecida. Para facilitar ainda mais as coisas, as sogras são um grande empecilho na situação: enquanto a mãe dela beira a rebeldia do anarquismo, a mãe dele, conservadora e inflexível, sufoca a vida dos dois quando sua ajuda lhe é solicitada.

O filme é, acima de tudo, sobre amadurecimento, onde só com muita perseverança consegue-se construir aquilo que um amor verdadeiro proporciona.

NOTA: 3/5

INTOCÁVEIS – Driss é mais um dos imigrantes presentes na atual sociedade francesa. Com um passado turbulento envolvendo sua saída do Senegal, ele tenta à sua maneira vencer na vida e ganhar o seu salário no final do mês. O que não vem necessariamente acompanhado de trabalho. Apostando no preconceito existente e inerente a sua raça, ele corre atrás de três assinaturas nas residências que procuram profissionais para cuidar de pessoas com deficiência física. Isso validaria o seu pedido de seguro-desemprego junto ao governo, garantindo algum rendimento para os três meses seguintes. Mas nesse caminho ele não contava encontrar com o Philippe, um milionário tetraplégico, que vê em Driss a oportunidade de resgatar, pelo menos em parte, o passado aventureiro de sua vida.

Do vínculo forte e inesperado dessa amizade que surge algo especial e fascinante em Intocáveis que funciona como uma crítica a sociedade moderna e seus exageros excêntricos com contornos bem humorados nas observações ácidas e satirizadas de Driss. Demonstrando também uma quebra do paradigma no relacionamento entre um milionário preso a cadeira de rodas e um imigrante negro, pobre, que lida diariamente com o preconceito e a violência em seu cotidiano na periferia de Paris. Tendo na sua premissa um potencial imenso de se tornar uma história melodramática, Intocáveis usa esse choque de contrastes de múltiplas maneiras sem insultar a inteligência do espectador.

Se há um encaixe perfeito na questão de temperamento entre os protagonistas, tanto patrão quanto funcionário são úteis um ao outro para resolver suas respectivas pendências diárias, contribuindo significativamente um na vida do outro. Driss com a oportunidade tem a possibilidade de ampliar as expectativas de vida para sua família (tia e os primos mais novos); Philippe, por sua vez, teve a chance de vivenciar novamente seus dias de jovem aventureiro e poder viver, por um breve momento e em suas limitações, com alguém que o tratasse naturalmente sem a piedade e a distância usual das pessoas que lidam com pessoas com essas mesmas características.

NOTA: 5/5





COBERTURA COMPLETA – MTV Movie Awards 2012

3 06 2012

Tá chegando a hora. Vamos finalizar definitivamente a temporada 2011 de filmes.

O MTV Movie Awards 2012 começa em uma hora e junto com o Universo E! você acompanhará todas as informações da premiação: aqui no blog no WordPress e em nosso perfil no Twitter: @universo_e (no menu a direita você acompanha os últimos tweets).

Após a premiação, todos os tweets serão postados aqui em ordem cronológica. A gente se vê daqui a pouco!





COBERTURA COMPLETA – Oscar 2012

26 02 2012

Estamos só no aguardo!

Dentro de mais algumas horas começará em Los Angeles mais uma entrega anual do Oscar para os melhores do cinema de 2011.

E de costume, você poderá acompanhar a cerimônia com nossos comentários aqui do Universo E! através de nosso perfil no Twitter, ok?

E em seguida, durante a madrugada, um post geral comentando o que melhor aconteceu na principal festa do Cinema no ano!

Até lá!

edit: NOSSOS COMENTÁRIOS JÁ COMEÇARAM! Acompanhe através do box do Twitter no menu a direita!

edit 2: Continue acompanhando conosco, através de nosso perfil no Twitter, a cobertura completa do Oscar 2012!

edit 3: Oscar 2012 continua aqui no Universo E! Aumentei o número de tweets mostrados aí do seu lado direito, para que vocês leitores acompanhem melhor nossa cobertura!

edit 4: Editei todos os tweets feitos no perfil do Universo E! no Twitter e disponibilizo aqui para nossos leitores! Veja como foi a nossa cobertura in loco do Oscar 2012 com alguns erros de português e de grafia, afinal é difícil assistir e digitar ao mesmo tempo! ;D

COBERTURA COMPLETA DO OSCAR 2012 PELO TWITTER: @universo_e

– Falta muito pouco! O Oscar 2012 está chegando!

– A mini-central do Universo E! para essa cobertura já está instalada e operante!

– Parece que o streaming que encontrei funciona direito! Aguardemos…

– O gordinho do Homem que Mudou o Jogo no tapete vermelho agora…

– Rooney Mara de Millenium no tapete vermelho, concorrendo a Melhor Atriz!

– A transmissão continua destacando Rooney Mara. Estão obcecados por ela!

– E ela fez, realmente, um ótimo trabalho em Millenium.

– ‘Marilyn Monroe’ de Sete Dias no tapete agora!

– Christopher Plummer sendo entrevistado agora. Indicado a melhor ator coadjuvante por Toda Forma de Amor.

– Tina Fey agora!

– Meu pecado no Oscar desse ano foi não ter assistido O Artista e A Invenção de Hugo Cabret! #prontoconfessei

– Desperate Housewives com comercial sobre a sua última temporada.

– Jennifer Lopez, direto da Sapucaí para o tapete vermelho do Oscar!!!

– George Clooney, de Os Descedentes, chegando a festa agora!

– Sandra Bullock falando sobre o trabalho conjunto com Tom Hanks.

– Vai começar!!! #Oscar2012

– Morgan Freeman entra no palco para o início da transmissão!

– Billy Cristal contracenando com os indicados ao melhor filme

– Justin Bieber no Oscar!!!

– A homenagem ao Harry Potter

– Tom Hanks para citar os indicados a Melhor Fotografia!

– Millenium, O Artista, hugo Cabret, A Árvore da Vida e Cavalo de Guerra são os indicados…

– E o primeiro Oscar para A Invenção do Hugo Cabret

– Melhor direção de arte é o próximo prêmio a ser entregue

– Será que Harry Potter receberá algum por cjto da obra

– A Invenção de Hugo Cabret recebe o segundo prêmio da noite!

– Essa premiação logo de cara para Hugo Cabret pode indicar que O Artista venha ganhar os prêmios principais no fim da noite!

– E o Oscar vai para o primeiro intervalo, apostando nas várias indicações de Meryl Streep

– Duro de aguentar a narração em off de Rubens Ewald Filho na TNT

– Voltamos ao Oscar!

– Forrest Gump, Titanic, Avatar

– Ghost… Pegando a magia do cinema em cada um desses filmes.

– Vamos para a entrega de mais um prêmio – Cameron Diaz e Jennifer Lopez vão entregar o Oscar para melhor figurino.

– MELHOR FIGURINO – Para o Artista

– A Invenção de Hugo Cabret e O Artista polarizam a premiação logo no início

– Próximo prêmio para a melhor maquiagem

– Só três indicados: HP 7,2, Albert Nobbs e A Dama de Ferro

– E o Oscar de maquiagem vai para… A Dama de Ferro

– E o Oscar domina os Trending Topics no Brasil. Os 10 assuntos mais comentados é relacionado a essa premiação do cinema.

– Atores consagrando comentando os seus primeiros contatos com a Sétima Arte

– Cinema realmente é uma coisa apaixonante

– Trailer de Alcatraz na TNT, série que passa na Warner

– Sandra Bullock para entregar o Oscar de melhor filme estrangeiro

– Alguma dúvida que A Separação leva esse?

– MELHOR FILME ESTRANGEIRO: A Separação, sem sombras de dúvida

– Billy Cristal convida Christian Bale, ao som de Batman, para apresentar as indicadas a atrizes coadjuvantes

– Berenice Bejo por O Artista

– Jessica Chastain e Octavia Spencer por Histórias Cruzadas

– Melissa McCarthy por Missão Madrinha de Casamento

– E Jane McTeer por Albert Nobbs são as indicadas

– MELHOR ATRIZ COADJUVANTE vai para Octavia Spencer!

– O teatro APLAUDE de pé Octavia Spencer, muito emocionada!

– Depois do Oscar, tem post completo no Universo E! Não perca!

– Billy Cristal agardece as participações especiais pelo filmete de apresentação.

– Tina Fey e Bradley Cooper sobem ao palco para apresentar os nomeados a melhor montagem

– MELHOR MONTAGEM: Millenium – Os Homens que não Amavam as Mulheres

– Edição de som. Esse é o prêmio da vez!

– MELHOR EDIÇÃO DE SOM: A Invenção de Hugo Cabret

– Fey e Coopler continuam no palco e entregam sua terceira estatuetan e a quarta para Hugo

– MELHOR MIXAGEM DE SOM: A Invenção de Hugo Cabret

– Os Muppets no show agora!

– Cirque de Soleil faz sua apresentação!

– Só tomem cuidado para não cair desses cabos de aço!

– Todas as apresentações podiam ser assim, sem fala, pra gente não precisar escutar Rubens Ewald Filho e nem a tradução simultânea da TNT!

– SENSACIONAL!!!

– Gwyneth Patrow e Robert Downey Jr (não sei escrever o nome dala, ;D) no palco agora.

– Apresentam os nomeados ao melhor documentário!

– MELHOR DOCUMENTÁRIO: Undefeated

– Aí, Todo Mundo Odeia Chris no Oscar. Chris Rock apresenta o Oscar de melhor animação

– E a narração da série em português é muito melhor e muita mais engraçada do que ouvir a voz dele no original, diga-se passagem!

– MELHOR ANIMAÇÃO: Rango

– Agora os indicados a melhor efeito visual!

– Harry Potter leva esse???

– HP concorre com Planeta dos Macacos: A Origem. É difícil, a batalha é dura!

– MELHOR EFEITOS VISUAIS: A Invenção de Hugo Cabret!

– Carlinhos Brown não sai dos Trends. Todo mundo na expectativa para ver se o Brasil leva o Oscar da melhor canção por Rio

– Melissa Leo, no palco, para premiar o melhor ator coadjuvante!

– Quem leva? MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Christopher Plummer por Toda Forma de Amor

– Uma parte fundamental do Cinema: a música. Chegou a hora de premiar melhor trilha sonora e melhor canção original.

– Penelope Cruz e Owen Wilson no palco agora!

– As Aventuras de Tintim; O Artista; O Espião que Sabia Demais; A Invenção de Hugo Cabret e Cavalo de Guerra são os indicados.

– MELHOR TRILHA SONORA: O Artista

– Os Muppets contra Rio? Quem ganha por melhor canção original?

– MELHOR CANÇÃO ORIGINAL: Os Muppets

– Angelina Jolie!!!

– Para apresentar os indicados ao melhor roteiro original.

– MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Os Descendentes

– Angelina Jolie: “Esses são os indicados a melhor roteiro original!”

– Faltam poucas categorias agora: melhor curta metragem; curta animação; curta documentário

– E os principais: melhores ator e atriz; melhor direção e melhor filme.

– Missão Madrinha de Casamento na missão para entregar os prêmios de curtas, já citados aqui!

– MELHOR CURTA METRAGEM: The Shore

– MELHOR CURTA DOCUMENTÁRIO: Saving Face

– MELHOR CURTA ANIMAÇÃO: The Fantastic Flying Books of Mister Morris Lessmore

– Michael Douglas sobe ao palco para premiar o melhor diretor

– Indicados: Woody Allen, Terrence Malick, Alexander Payne, Michael Hazanivicous e Martin Scorsese.

– MELHOR DIRETOR: Michael Hazanivicous, por O Artista

– Melhor ator, melhor atriz e melhor filme. São os prêmios restantes essa noite do Oscar 2012

– Meryl Streep, a atriz mais dedicada da Academia com tantas indicações!

– Chegou o momento de homenagear quem nos deixou: In Memorian no Oscar 2012!

– Natalie Portman no palco!

– O Artista ganha seu quarto Oscar com melhor ator para Jean Dujardin.

– Dessa forma, O Artista já se equipara ao Hugo Cabret: 4 estatuetas contra 5 já conquistadas pelo longa de Scorsese

– Melhor atriz agora!

– Há alguma mínima chance por Rooney Mara?

– Se ganhar o Oscar de melhor filme, O Artista dividirá a noite com A Invenção de Hugo Cabret, ambos com 5 estatuetas!

– Quem vence o Oscar de melhor atriz: Meryl Streep com a sua terceira estatueta na carreira.

– A Dama de Ferro sai do Oscar hoje com duas estatuetas!

– Os Descendentes, A Árvore da Vida, Histórias Cruzadas, A Invenção de Hugo Cabret, O Homem que Mudou o Jogo, Cavalo de Guerra, O Artista…

– …Meia-noite em Paris e Tão Perto e Tão Longe são os indicados a melhor filme!

– Quem será o grande vencedor?

– MELHOR FILME: O Artista!








PALPITEIRO BRASILEIRO

Campeonato dos Palpiteiros - Temporada 2017

Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Abraccine - Associação Brasileira de Críticos de Cinema

Site com atividades e informações sobre a associação que reúne profissionais da crítica cinematográfica de todo o Brasil

Sinfonia Paulistana

um novo olhar

%d blogueiros gostam disto: