Breves & Curtas #8 (Especial Oscar 2014)

22 02 2014
Tom Hanks voltando ao campo das grandes atuações.

Tom Hanks voltando ao campo das grandes atuações.

CAPITÃO PHILLIPS – Richard Phillips (Tom Hanks, de A Viagem, O Código da Vinci e do inédito Walt nos Bastidores de Mary Poppins) é um experiente capitão de uma empresa de navios cargueiros. Mesmo com os anos de profissão, a família ainda não se acostumou com essa rotina constante em que ele fica durante longos períodos fora de casa. Como um filme que se foca basicamente com os apuros do personagem de Tom Hanks em alto-mar próximo à costa da Somália, o longa reserva uma breve introdução para construir essa dinâmica familiar.

Uma vez em águas internacionais, o cargueiro pelo qual Phillips é responsável começa a ser ameaçado pelos conhecidos piratas do país africano com quem o capitão lida de todas as formas possíveis para afugentá-los até que o inevitável acontece e o cargueiro é sequestrado. Até certo ponto é irônico perceber como algo tão grande como um cargueiro pode ser tão vulnerável à dois pontos verdes e minúsculos no radar.

Tom Hanks vem de muitos projetos de qualidade duvidosa ultimamente, quer por comodismo quer por falta de opções melhores, acabavam não exigindo todo o potencial dramático que ele, Hanks, certamente possui. Isso é facilmente perceptível ao longo do filme de Paul Greengrass (também diretor de dois filmes da trilogia Bourne – A Supremacia e O Ultimato e Voo United 93), uma projeção que exige, de tempos em tempos, esse profissionalismo do veterano: seja a expressão facial de preocupação de Hanks quando seu navio é invadido ou nos outros diversos momentos de grande aflição, quando o capitão lida diretamente com os piratas.

Um dos pontos fortes do longa é a forma do desenrolar de sua ação dentro de um espaço limitado – o cargueiro – com cenas tão intensas que nem filmes com uma cidade inteira de cenário conseguem alcançar. Se isso é facilmente atingido aqui, muito se deve ao inimigo a altura que Hanks tem pela frente: o somaliano inexperiente Barkhad Abdi, indicado ao Oscar como melhor ator coadjuvante e ganhador do BAFTA pela mesma categoria no seu primeiro trabalho no cinema.

Para solucionar toda a situação o Capitão Phillips acaba caindo no estereótipo dos filmes que reafirmam a soberania e a supremacia dos EUA perante o mundo, quando a situação do capitão ganha importância internacional, merecendo uma operação militar americana à altura. Mas nada suficiente o bastante que pudesse comprometer a interessante narrativa apresentada até aqui.

NOTA: 4/5

Quando o livro é melhor que o filme. De novo!

Quando o livro é melhor que o filme. De novo!

A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS – Como é difícil a adaptação de um livro para os cinemas, não é mesmo? Como diz meu irmão, o livro é o complemento narrativo em relação aos cinemas. Embora muitas vezes a narrativa escrita venha primeiro que a cinematográfica, o primeiro contato que devemos ter com a história deve ser sempre com o filme e aí então, deveremos partir para o livro. Essa regrinha básica, se respeitada, evitará grande transtornos ao cinéfilo/leitor como o que me acometeu com a obra de Marcus Zusak.

Tudo o que o autor colocou entre as páginas de A Menina que Roubava Livros está lá no filme. Mas pelo simples fato de ter o lido (numa época que nem sabia e nem se planejava a adaptação dele para os cinemas), fez com que não funcionasse para mim. Mas pela quantidade de gente que saiu chorando ou fungando da sessão, sou um fato isolado aqui.

As passagens que considero as melhores do livro, tanto em questão de emoção ou de humor, estão no filme. Até os atores escalados (com uma única exceção que comentarei no parágrafo a seguir) para os seus respectivos personagens em momento nenhum causam algum tipo de repulsa: a menina e canadense Sophie Nélisse (O Que Traz Boas Novas) está ótima como Liesel, retratando a inocência e a coragem na medida certa da protagonista; Rudy com Nico Liersch (Blackout) continua sendo o malandro e companheiro dela como nas páginas; Hans e Rosa Hubbermann, os veteranos Geoffrey Rush (da franquia Piratas do Caribe e O Discurso do Rei) e Emily Watson (da animação A Noiva Cadáver e Cavalo de Guerra) respectivamente, não podiam ter atores melhores escalados; Ben Schnetzer (Ben’s Plan e da série Happy Town) como Max também. Inclusive os papéis menores tiveram suas escolhas acertadas. Mas afinal, o que há de errado com o filme de A Menina que Roubava Livros?

Sinceramente, não consigo responder essa questão. Logo no primeiro momento o que me causa estranheza é o narrador no filme. Todos sabem que os fatos da vida de Liesel Meminger são narrados a partir do ponto de vista peculiar da Morte. Na minha leitura, todas as intervenções pessoais que a Morte realizava no livro possuía uma voz feminina, jamais imaginei que fossem adotar uma voz masculina para esse papel. Esse grande ‘pequeno detalhe’ talvez seja o crucial para a minha experiência negativa com o filme.

Se já não estava comprando a história mostrada ali vem um aspecto que considero vergonhoso e que o filme não merecia: como pode um produto vendido aos quatro ventos como uma produção do mesmo estúdio de As Aventuras de Pi ser concluído com efeitos especiais tão mesquinhos? Principalmente na parte final com os ataques de bombas, os efeitos delas (ridícula a forma como um caminhão é explodido) são terrivelmente amadores. Isso porque o filme se beneficia do fato da presença de todos os personagens (com a exceção de Max) estarem no porão e a abordagem das explosões serem apenas a partir de efeitos sonoros. Inadmissível!

Posso afirmar então que o problema de A Menina que Roubava Livros seja a junção de dois fatores: um que afeta todos que o assistem que são os efeitos visuais muito aquém para os padrões atuais do cinema e outro, que afeta diretamente quem já leu o livro (e variará de pessoa para pessoa), que é a falta de um pouco de magia e encantamento da história que se perdeu durante a sua adaptação. Mas confesso: é uma pena que isso tenha acontecido!

NOTA: 2/5

Ocupando a vaga de outro filme melhor na categoria de melhores filmes

Ocupando a vaga de outro filme melhor na categoria de melhores filmes

PHILOMENA – Philomena é de longe, um dos filmes mais fracos dos indicados ao Oscar de melhor filme esse ano. Menos por sua história e mais pelo sério problema de ritmo que sua narração apresenta. A personagem que dá título à trama teve duas grandes infelicidades em sua adolescência na Irlanda: primeiro, estudar em um internato de freiras e segundo, ficar grávida durante esse período.

Devido às aventuras carnais, Philomena (Judi Dench, esteve presente nos últimos sete (!) filmes de James Bond e Notas sobre um Escândalo) foi devidamente castigada pelas irmãs, sofrendo barbaridades durante o complicado parto que teve sem auxílio médico algum, trabalhando sem remuneração durante sete dias por semana até que se vê permanentemente separada de seu filho ao ver este ser adotado sem o seu consentimento. Fato que escondeu durante 50 anos.

O longa passa a acompanhar a busca, por três países, de uma mãe pelo paradeiro do filho cinquenta anos depois de seu nascimento com o auxílio do jornalista em crise Martin Sixsmith (Steve Coogan, Trovão Tropical e A Festa nunca Termina) em soube do caso por intermédio da filha dela Jane (Anna Maxwell Martin, de Amor e Inocência). Nessa trajetória que Philomena tem os seus maiores problemas. Nem o característico humor britânico consegue melhorar a interação de Judi Dench (com uma atuação mediana que nem de longe lembra a carismática agente M dos filmes de James Bond) com Steve Coogan, que não convence em momento algum com o seu personagem. Quando os poucos flashbacks – onde Sophie Kennedy Clark (Ninfomaníaca e Sombras da Noite) vive Philomena em sua fase jovem) – se tornam mais interessantes que a narrativa principal é justamente porque alguma coisa está errada.

E olha que a história poderia muito bem render um filme melhor até pelas características que possui e pelas denúncias que evidencia, onde emocionaria facilmente o seu espectador, mas não consegue fazê-lo. De aproveitável mesmo é a atitude de Philomena em sua conclusão, uma escolha muito mais cristã do que aquelas que juraram fidelidade, se declararam servas e viveram única e exclusivamente em nome de um ser superior.

NOTA: 2/5

Anúncios




ANÁLISE: Os Miseráveis

23 02 2013

Hugh Jackman (o Wolverine dos X-Men e Gigantes de Aço) canta na pele de Jean Valjean, um homem de muito crimes numa França pós Revolução Francesa. O início de Os Miseráveis já revela aquilo que tem de mais emocionante: as cenas musicais cantadas em grupo ou coro e são três ou quatro músicas que possuem essa característica durante a sua projeção e, não podia ser diferente, uma dessas canções é a responsável por finalizá-lo. Muito pouco se levarmos em conta os seus 157 minutos de duração. Todos eles cantados, praticamente!

Nas diversas passagens de tempo que ocorre no longa assinado por Tom Hooper (do oscarizável O Discurso do Rei), Valjean está sempre tentando reconstruir a sua vida, sem necessariamente estar disposto a cumprir a pena que lhe foi imposta. Por isso mesmo, ele é continuamente perseguido pelo incompetente oficial Javert (papel de Russell Crowe, de Uma Mente Brilhante e Mestre dos Mares – O Lado mais Distante do Mundo) que jamais o conseguiu capturar em definitivo.

O formato escolhido para se c(a)ontar a história deixa Os Miseráveis muito fragmentado. As poucas histórias complementares que o compõem (e necessárias para o estabelecimento da trama principal) são incluídas de uma tal forma abrupta que há a sensação de pausa na transição de uma história para outra como se elas não ocorressem simultaneamente. É o caso da participação de Anne Hathaway (O Casamento de Rachel e Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge) e sua personagem Fantine. Todo o seu drama envolvendo a inveja das colegas de trabalho na fábrica e o seu sofrimento nas ruas com a prostituição forçada na luta para conseguir sustentar a sua filha é abordado meio a parte da trama envolvendo Valjean, enfraquecendo o ritmo do longa.

O rápido envolvimento dos dois (motivado pela morte precoce de Fantine) desencadeia uma repentina afeição dele por Cosette (vivida inicialmente pela novata Isabelle Allen), filha de Fantine, que sofre exploração de trabalho infantil na estalagem comandada pelo casal salafrário Thénardier, interpretados pelos coadjuvantes de luxo Helena Bonham Carter (do também musical Sweeney Todd – O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet e Alice no País das Maravilhas) e Sacha Baron Cohen (dos excêntricos Borat, Bruno e O Ditador), que sempre trazem algo interessante e divertido em suas interpretações cantadas.

Diferentemente do que se espera de todo filme, Os Miseráveis perde um pouco do interesse ao enfocar os adolescentes revolucionários a que pertence Marius (Eddie Redmayne, Morte Negra e Sete Dias com Marilyn) que se apaixona perdidamente pela jovem Cosette (agora interpretada por Amanda Seyfried, de O Preço do Amanhã e Mamma Mia). Um legítimo caso de paixão a primeira vista! A história já desperta certo desinteresse mesmo contando com um bom elenco jovem e talentoso em todo esse núcleo. O maior dos destaques é o ator mirim Daniel Huttlestone que no primeiro momento em que seu personagem Gavroche aparece, domina a tela como poucos atores conseguem, mesmo sendo este o seu primeiro trabalho no cinema. O modo como que o filme aborda a luta armada desses jovens a deixa extremamente tola com uma cara mais de brincadeira de rua do que uma revolução, contando pontos desfavoráveis a produção por ser parte integrante de seu desfecho e deveria se tornar o ápice do filme.

Tom Hooper por sua vez, lidando com um grande clássico da literatura e dos musicais, não ousa e faz bem a sua lição de casa cinematográfica, colocando Anne Hathaway, Hugh Jackman e Eddie Redmayne em seus momentos de maior intensidade dramática sempre no ponto forte da tela no lado direito, o chamado lado forte do Cinema, o lado em que o espectador mais observa. Isso inclusive, ele poderia tê-lo feito com um pouco mais de sutileza. Mas por tratar o ato final do filme burocraticamente, os momentos mais emocionantes em Os Miseráveis ficam atrelados as canções cantadas em coro pelo excelente elenco reunido ao invés de seu desfecho. Talvez esteja aqui um dos seus maiores defeitos!

NOTA: 3/5





ANÁLISE: Prometheus

24 06 2012

A descoberta de pinturas pré-históricas em uma gruta na Escócia em 2089 desperta a atenção de um grupo de cientistas, pois outras pinturas com o mesmo padrão de desenho foram encontradas ao redor do planeta, cujos autores – sociedades primitivas – jamais conviveram mutuamente, tornando essas semelhanças inacreditáveis. E o simples fato dessas inscrições conterem uma adoração extraterrena são suficientes para esses cientistas conseguirem uma exploração interplanetária bancada por um empresário multi-bilionário, Peter Weyland (Guy Pearce, Guerra ao Terror e O Discurso do Rei), a beira da morte. Como pode-se notar, Prometheus não inova na premissa e muito menos consegue inovar – embora tente – ao longo de sua narrativa, que empolga o espectador em raros momentos ao longo de sua pouco mais de duas horas de duração.

O que a exploração descobre inicialmente são aparentes escavações no novo planeta criados por uma raça alienígena cujo padrão de DNA se assemelha ao dos humanos, o que explica a existência de ar respirável  no interior dessas escavações. As interpretações dos fatos decorridos nesse ambiente é feita pelo humanoide David (Michael Fassbender, Bastardos Inglórios e X-Men: Primeira Classe), criado pela empresa de Weyland para aprender tais língua alienígenas, o que lhe dá a capacidade de executar ilógicas projeções holográficas que indicam o que ocorreram naquele ambiente. Tais projeções são mais uma solução barata e extremamente tola de resolver os problemas da narrativa do que uma grande inovação em si.

O que mais decepciona em Prometheus é a total falta de entrosamento da equipe que protagoniza a expedição. Liderados pela doutora Elizabeth Shaw (papel da eficiente Noomi Rapace, presente na versão sueca da trilogia Millenium) e Charlie Holloway (Logan Marshall-Green, Across the Universe e Demônio), os personagens são mal construídos e mal estabelecidos na trama: desde as iscas (personagens sem importância alguma e inseridos na narração apenas para demonstrar o poderio da criatura da vez) até aqueles que se ‘sacrificam’ pelo bem da humanidade, mesmo que para quem não tem nada a perder não faz sacrifício nenhum.

Por outro lado, temos também o senhor Weyland, financiador da aventura cujo principal propósito (nada científico) também não é nenhuma novidade – Riddley Scott abusando mais uma vez dos clichês. Nem os superficiais problemas afetivos de Weyland com sua filha, Meredith Vickers (mais uma mau escolha de Charlize Theron, de Hancock e A Estrada) dão alguma importância à ela ou ao empresário. Se Prometheus apostou na emoção em algum momento para cativar o espectador foi mal sucedido nessa questão. Por não criar nenhuma carga emotiva em seus personagens, a nossa preocupação com eles é praticamente nula, um erro gravíssimo ao ser tratar de um suspense e depender disso para que funcione corretamente. O que salva o longa são alguns bons momentos de ação e aflição em sua metade final, em especial a cesariana high-tech da doutora Shaw e sua luta para escapar da cápsula cirúrgica antes do ataque da criatura.

Até no momento de finalizar seu longa Riddley Scott se equivoca. Seria muito mais inteligente de sua parte deixar a história em aberto com a doutora Shaw dependendo de David e de sua habilidade de pilotar as outras naves ali existentes para escapar do planeta do que sua inabalável vontade de buscar a origem da origem da origem… Essa atitude soma-se aos demais absurdos apresentados e assim como em praticamente todo esse Prometheus, nossa expectativa para o que virá a seguir num provável segundo Prometheus é a mínima possível!

NOTA: 2/5

P.S.: Riddley Scott tanto acreditou no baixo potencial de seu projeto que emendou uma clara cena pós-créditos à última cena do filme com medo de que o público saísse o mais rápido possível da sala e não visse sua ideia genial.





RETROSPECTIVA 2011 – parte 1

18 12 2011

RETROSPECTIVA 2011

JANEIRO

A Rede Social: um dos destaques de 2011

O primeiro filme comentado em 2011 foi A Rede Social. O longa onde tomei conhecimento de Jesse Eisenberg, que pelo trabalho realizado nesse filme já está no grupo de atores/atrizes que merecem ter a carreira acompanhada de perto. Se ainda não assisti aos outros filmes dele, gostei bastante da dublagem de Blu na animação Rio. Quem também pintou na sessão de Análises do Universo E! foi Scott Pilgrim.

O ano de 2011 começou com um pequeno equívoco que já estou me precavendo para não cometê-lo novamente: a publicação da Retrospectiva 2010 em janeiro de 2011! Este ano (como você já está lendo agora), a Retrospectiva foi publicada no seu mês tradicional que é dezembro.

Felizmente, uma das minhas previsões (ainda) não se concretizou. Nas vésperas do lançamento para home vídeo de Tropa de Elite 2, o único formato disponível para compra era o blu-ray. Que bom que esse caso foi a exceção, pois não tivemos outros casos que o DVD tenha sido deixado de lado, priorizando apenas o lançamento do raio azul. Embora muita gente se vanglorie por aí com a qualidade superior de som e imagem (e realmente são superiores), não pretendo investir tão cedo nessa nova tecnologia. Não vejo problema nenhum em continuar consumindo boxes de séries e filmes em DVD.

Em janeiro o Universo E! só comeu bola. Depois de prever errado o blu-ray versus DVD, noticiamos um especial de Justin Bieber na febre televisiva da época, Glee. E fui prontamente desmentido pelo criador da atração, Ryan Murphy. Se bem que desde maio de 2010, já tínhamos um post falando sobre a distância que Glee queria manter (e mantem) de Bieber. Bem ou mal, a informação errada já tinha sido postada.

Neste mês os nerds fãs dos nerds de The Big Bang Theory só tiveram razões para comemorar: a sua série favorita foi renovada de uma só vez até a 7ª temporada, enquanto na época ainda era exibida os episódios finais da 4ª temporada. Uma decisão mais do que acertada, pois o decorrer do ano e a fatídica queda de Charlie Sheen de Two and Half Men colocariam TBBT como a principal atração do horário nobre da CBS, emissora responsável pela exibição dessas atrações nos EUA.

Evento tradicional do primeiro mês de cada ano é a entrega do Globo de Ouro que em 2011 premiou A Rede Social como melhor filme dramático, que também levou o de melhor direção por David Fincher o e melhor filme de comédia foi Minhas Mães e Meu Pai.

Na preparação para o Oscar 2011, foram soltas em janeiro, as chamadas para a transmissão envolvendo Anne Hathaway e James Franco. Pena que a diversão presente nesses ‘comerciais’ não tenham sido levadas para o show em Kodak Theatre.

 

FEVEREIRO

A emissora mais feliz do Brasil garantiu a felicidade desse blogueiro em fevereiro

Já chegou batendo recordes no Universo E! Logo no primeiro dia do mês passamos dos mais de 100 acessos em único dia com a informação da troca de canal do SBT na cidade de Campinas. A TVB Campinas passou a ser a afiliada da Rede Record na cidade, enquanto o canal do Silvio Santos passara a ser transmitido pelo canal 29 sem os programas locais.

Precedendo a grande festa do cinema mundial (não me canso de repetir essa frase SEMPRE!), os cinemas ou as distribuidoras mais precisamente, despejaram uma overdose de bons filmes nas telonas: Cisne Negro, Lixo Extraordinário, Minhas Mães e Meu Pai, O Vencedor, O Turista, O Discurso do Reiopção de filme era o que não faltava!

O Discurso do Rei seria, em 27 de fevereiro, o coroado com o Oscar de melhor filme. A transmissão foi acompanhada ao vivo pelo Universo E! que apresentava seus comentários não mais pelo post do blog, mas sim pelo seu perfil na rede social Twitter – modelo que passou a vigorar para qualquer cobertura nossa desde então.

Foi lançado aqui, simultaneamente com o blog Diário de Bordo do crítico Pablo Villaça do site Cinema em Cena, a campanha Por Mais Educação nos Cinemas. Digo simultaneamente, porque antes mesmo da publicação do manifesto pelo Pablo, já vinha escrevendo um esboço de um texto sobre o mesmo tema já há algum tempo devido aos contratempos que vinha tendo nas sessões em que estava presente.

MARÇO

A animação Rio caiu nas graças da audiência mundial

 

Foi o mês que Charlie Sheen foi demitido de Two and Half Men.

Foi o mês em que a fachada do Copacabana Palace serviu de tela para a projeção de Rio. A animação com a tutela de Carlos Saldanha (trilogia Era do Gelo) encantaria o mundo todo.

O Universo E! teve a primeira oportunidade de participar de uma cabine de imprensa ao ganhar um ingresso para conferir em primeira mão o show U2 3D pela Mobz Live.

A campanha Por Mais Educação nos Cinemas ganhou o seu segundo post. Nele, relatei as principais dificuldades que passei (e continuo passando) dentro das salas de cinema.

E The Walking Dead ainda pode ter uma participação (que ainda não ocorreu) de Stephen King. De acordo com a nota na época, King pode vir a escrever um episódio para a série do canal AMC. Atualmente no hiatus da 2ª temporada, a participação do escritor ainda pode ocorrer no terceiro ano do drama.

ABRIL

O mês de abril de 2011 foi negro! Não pelo fato do blog completar 2 anos e os números até a data de aniversário você pode conferir aqui, no post original.

Mas abril foi negro devido a interrupção de acesso a internet desse que vos fala. Nunca na minha vida, desde que virei internauta, passei tanto tempo sem ter uma conexão decente a internet em casa. Apartir de abril, as atualizações do Universo E! ficaram pendentes de uma boa lan-house, o que é difícil de achar.

Resultado: o post sobre os dois anos do Universo E! foi a única atualização de abril. Abril negro!!!

MAIO

Piratas do Caribe liderou as férias de meio de ano nos cinemas em 2011

Devido ao grande tempo em fiquei off-line, uma das maneiras que encontrei para não deixar o blog parado foi criar a sessão A Rede pelo Twitter. Uma forma fácil e rápida de construir um post off-line, utilizando basicamente a porca conexão de internet do celular. O tema de estreia teve como base o lançamento mundial de Piratas do Caribe 4: Navegando em Águas Misteriosas, abordando o famoso capitão de Johnny Depp, a antipatia dos fãs pela Penelope Cruz, etc e tal.

Nas telonas, conferimos Os Agentes do Destino. Ficamos sabendo que Rei Leão, quem diria, ganharia as salas de cinema novamente coma conversão da animação para a projeção 3D. E mudamos um pouquinho a nossa programação ao fazer uma observação sobre o momento que o mercado fonográfico vinha passando naquela época.

JUNHO

Três assuntos dominaram o mês de junho no Universo E!.

1)     Amanhecer – Parte 1 ganhou o seu primeiro trailer. Bom!

2)     Saiu a primeira imagem de O Hobbit dias depois dos dois filmes baseados na obra de J. R. R. Tolkien terem seus subtítulos e estreias definidos.

3)     Harry Potter. Encantando gerações desde 2001, o mais famoso bruxinho do cinema teria sua saga encerrada no mês seguinte e para celebrar essa ocasião, o Universo E! começou a preparar um especial revisitando todos os longas produzidos até então. O fenômeno do bruxinho ainda ganhou mais uma atualização devido ao rápido esgotamento dos ingressos para a pré-estreia de Relíquias da Morte – parte 2 em 15 de julho.

 

 





Oscar 2011 pela internet brasileira

28 02 2011

O Universo E! traz agora a repercussão da maior festa do cinema pelos portais brasileiros de internet:

UOL – O Discurso do Rei e A Origem são os grandes vencedores da noite

TERRA – O Discurso do Rei é o grande coroado da noite com melhor filme

IG – O Discurso do Rei é o vencedor do Oscar

R7 – Oscar: O Discurso do Rei é o grande vencedor da noite

G1 – O Discurso do Rei vence filme, ator, diretor e roteiro no Oscar

ESTADÃO – Natalie ganha melhor atriz

UNIVERSO E! Fraca cerimônia premia o fraco O Discurso do Rei





Fraca cerimônia premia o fraco O Discurso do Rei

28 02 2011

E chega ao fim mais um Oscar.

As estatuetas foram diluídas entre todos os indicados. O Oscar 2011 teve dois grandes vencedores com 4 prêmios: O Discurso do Rei e a garnde surpresa da noite e que merecia muito mais do que isso, A Origem, de Christopher Nolan. Mas já é alguma coisa ele figurar entre os mais premiados da noite.

De toda forma, A Rede Social veio logo atrás, vencendo três categorias e O Vencedor, Alice no País das Maravilhas e Toy Story 3 com dois prêmios cada. O reconhecimento da Academia pelo excelente trabalho realizado por Natalie Portman em Cisne Negro.

E pela primeira vez, o Universo E! fez sua cobertura completa através do perfil no Twitter: www.twitter.com/universo_e.

É isso aí! A partir de agora, começa para valer o ano 2011 do Cinema!





Maratona Oscar 2011

24 02 2011

Queria ter um pouco mais de tempo para comentar detalhadamente os filmes que tenho assistido por conta da aproximação do Oscar 2011. Tive tempo apenas de comentar O Vencedor, mas as análises pararam por aí.

Mas para não deixar o Universo E! parado nessa época tão movimentada resolvi escrever breves comentários sobre os filmes recentemente vistos e que estão concorrendo ao Oscar. Vamos lá!

LIXO EXTRAORDINÁRIO – O documentário faz jus ao nome e nos mostra o quanto extraordinário pode ser o lixo manuseado sabiamente. O documentário, uma produção britânica-brasileira, relata o trabalho do artista plástico brasileiro e de renome internacional, Vik Muniz.

O resultado final desse trabalho é todo proveniente do Aterro Metropolitano do Jardim Gramacho, o maior aterro sanitário do mundo em quantidade de lixo recebido por dia. Tantos os produtos aparentemente sem valor, e transformados em verdadeiras obras de arte, as fotografias, os personagens e suas histórias são provenientes do Jardim Gramacho. Uma verdadeira lição de vida.

Se no início essa dura realidade parece não afetar (e muito menos entristecer) a vida de milhares de catadores que trabalham no local, basta conhecerem outra realidade (participando desse projeto) para obterem uma nova perspectiva da vida e uma nova oportunidade para um novo recomeço. Brilhante!

O DISCURSO DO REI – Produção britânica concorrendo na categoria de melhor filme relata a dificuldade de um herdeiro do trono da Grã-Bretanha em dominar a gagueira e se tornar um fator de unificação de todos os domínios da Inglaterra em tempos de guerra. Não tendo assitido Minhas Mães e Meu Pai e Inverno da Alma, considero esse o mais fraco entre os indicados.

Uma narrativa que empolga apenas em certos momentos, não sendo capaz de manter o interesse do espectador em sua totalidade, e só empolga quanto o ator Geoffrey Rush ocupa a telona com seu carisma. Fora isso, O Discurso do Rei tem uma históra sem propósito desconsiderando a obviedade presente no título.

CISNE NEGRO – O franco favorito até aqui! Cisne Negro acompanha toda a pressão que a bailarina vivida por Natalie Portman sofre desde que é escalada para viver os dois papéis principais da obra O Lago dos Cisnes – o Cisne Branco e o Cisne Negro – até a derradeira apresentação de estreia da nova temporada do show.

Forçada ao máximo e pressionada por todos os lados: a obsessão de sua mãe (ex-bailarina e que abandonou a carreira para criar a filha), a pressão sofrida pelo diretor para que ele se afaste da zona confortável de representar o Cisne Branco e incorporar não só no palco, mas na vida, as características do Cisne Negro e a inveja do restante do elenco para ocupar o papel de destaque de Natalie Portman.

Conforme o dia da estreia se aproxima, a narrativa ganha mais velocidade – acompanhada ferozmente pela trilha sonora – e profundidade (ganhando ares de um thriller de ballet), até alcançar o ápice do longa e do show. Fantástico!

127 HORAS – Esse é o típico filme que se o ator não for bem escolhido, ele pode estragar completamente o projeto – seja bom ou ruim – do longa. Mas 127 Horas não sofreu com esse erro ao contar com o carisma de James Franco (o próximo apresentador do Oscar) que encarna muito bem o aventureiro inconsequente Aron Ralston.

A narrativa e a performance de James Franco não deixam nunca a emoção do longa cair de nível. Isso somado ao ótimo trabalho de direção de Danny Boyle, a assinatura musical de A. H. Rahman (dupla essa reponsável pelo Quem Quer ser um Milionário?) e a ótima fotografia.

Corta a alma acompanhar a agonia solitária de Aron em meio aos canyons americanos. E é uma proeza contar uma história dessas com extrema habilidade e sem tornar o filme tedioso.





Overdose de bons filmes!

4 02 2011

image image Na realidade já esperava por isso!

 

Há dois posts abaixo, anunciando a cobertura do Universo E! para o Oscar 2011, mencionava a tal ‘maratona’ de filmes indicados com estreias previstas para esse mês.

 

Isso já pode ser notado com as grandes estreias dessa sexta (dia 04) nos cinemas brasileiros: Cisne Negro, O Discurso do Rei e O Vencedor. Dependendo da sua cidade, você ainda pode conferir oustros indicados como o documentário Lixo Extraordinário ou a comédia Minhas Mães e Meu Pai.

 

Outros filmes interessantes também despertam o interesse do espectador, mesmo sem serem indicados a estatueta dourada: Deixe-me Entrar, Além da Vida, Santuário ou O Turista.

Haja dinheiro. Haja tempo livre. Haja disposição para acompanhar tantas novidades assim em tão pouco tempo. Mas jamais devemos reclamar, porque nunca se sabe quando vai aparecer e quanto tempo vai durar aquela época de marasmo cinematográfico, onde não estreia nada de bom no cinema.





COBERTURA COMPLETA: Globo de Ouro 2011

16 01 2011
AS ATUALIZAÇÕES MAIS RECENTES SERÃO AS PRIMEIRAS. PORTANTO, A ORDEM DE LEITURA SERÁ DE BAIXO PARA CIMA

– Michael Douglas apresentando os indicados a melhor filme drama. E A RedEe Social ganha mais um Globo de Ouro.

– Chegou a vez de Sandra Bullock para apresentar os indicados para melhor ator drama. O vencedor é Colin Firth por O Discurso do Rei.

– Enquanto isso no Twitter… Globo de Ouro domina o trend topics mundial.

– Alice, Burlesque, Red passam batidos.  O Globo de Ouro dessa categoria para The Kids are All Right.

– A dupla dinâmica de Toy Story – Tom Hanks e TimAllen sobem ao palco para apresentarem os indicados a melhor filme comédia/musical.

– Vamos agora para as indicadas a melhor atriz defilme drama. E a ganhadora é: Natalie Portman por O Cisne Negro.

– Joseph Gordon-Levitt apresenta A Origem, que concorre a melhor filme drama. O favorito do Universo E!

– Mas o prêmio vai para Paul Giamatti por Minha Versão para o Amor.

– Halle Berry chega ao palco para apresentar os indicados a melhor ator de filme musical/comédia.  Com o Johnny Depp concorrendo por dois papéis ( O Turista e Alice).

– O Cisne Negro apresentado por Alicia Keys, concorrendo a melhor filme drama.

– Vamos para os indicados a melhor série musical/comédia: a grande vencedora é Glee, desbancando as favoritas Modern Family e The Big C.

– O caldo começa a engrossar.Os indicados para melhor direção: o grande vencedor é David Fincher por A Rede Social.

– Uma prévia de O Turista, concorrendo a melhor filme musical/comédia.

– Globo de Ouro homenageia Robert de Niro com trechos dos filmes que ele participou.

– A vez de Jeremy Irons apresentar as indicadas a melhoratriz de filme drama: vence The Fighter com Melissa Leo.

– Nada melhor para comemorar a renovação por três temporadas do que esse prêmio não?

– Os indicados a melhor ator de série musical/comédia.Apresentados por Kaley Cuoco, de The Big Bang Theory, que entrega o prêmio  para o seu colega Jim Parsons.

– O presidente dos EUA de The Event, Blair Underwood, anuncia a vencedora de melhor atriz de série musical/comédia. O prêmio sai para The Big C: Laura Linney, que não estava presente na cerimônia.

– Hellen Mirren nos apresenta um dos indicados amelhor filme drama: O Discurso do Rei.

– Robert Pattinson fica incumbido de apresentar os indicados a melhor filme estrangeiro.Dinamarca vence com In a Better World.

– Por mais que não gostem de Glee, tem que se admitir que os dois prêmios dessa noite foram merecidos.

– O Capitão América, Chris Evans, apresenta as indicadas a melhor atriz coadjuvante para séries, mini-série e filme para TV. E a honra vai para Jane Lynch de Glee. A série mantem a sua aura de sensação do momento, arrebatando prêmios ainda no seu segundo ano. E a febre Glee ainda não acabou.

– Steve Carrel e Tina Fey sobem ao palco e nos apresentam os indicados a melhor roteiro. E o Globo de Ouro vai para A Rede Social.

– Zach Efron apresenta mais um indicado para melhor filme musical/comédia:  The Kids All Right.

– Claire Danes sai vencedora por Temple Grandie.

– Depois deles, chegou a vez das indicadas para melhor atriz de filme para TV ou mini-série.

– Todos atentos para ouvir as palavras do mestre Al Pacino.

– Melhor ator de filme para TV ou mini-série. Nessas categorias somos peixes fora d’água. E o Globo de Ouro foi para Al Pacino em You don’t Know Jack.

– Nas palavras de Rick Gervais, vem aíum ícone de Hollywood: Sylvester Stalone para apresentar mais um indicado a melhor filme de drama: The Fighter.

– Robert Downey Jr, melhor ator do ano passado por Sherlock Holmes sobe ao palco para anunciar a melhor atriz de filme comédia/musical: Annete Benning por Minhas Mães e Meu Pai.

– “Vocês eram nascidos quando o primeiro Toy Story estreou?”. O produtor brinca com o cantor ao subir no palco.

– Justin Bieber sobe ao palco para apresentaros indicados a melhor animação. Meu Malvado Favorito, Como Treinar seu Dragão?, O Ilusionista, Enrolados e Toy Story 3. Vencedor:  a continuação do sucesso da Pixar – Toy Story 3.

– O Globo de Ouro de melhor trilha sonora agora. Globo de Ouro vai para A Rede Social. Injusto,  já que Hans Zimmer fez um trabalho excepcional em A Origem.

– Próximo anúncio, a de melhor canção original.E a vencedora é You haven’t seen the last of me de Burlesque.

– Rick Gervais diz que esse é o seu filme favorito.

– Andrew Garfield, que concorre por melhor atorcoadjuvante por A Rede Social, sobe ao palco para apresentar a produção da qual faz parte.

– E em seguida temos os indicados a melhor série drmática. Torcendo para The Walking Dead, mas o Globo de Ouro foi memsopara Boardwalk Empire. Mais um prêmio para a HBO.

– E na categoria de melhor ator de série dramática: Boardwalk Empire, Breaking Bad, Dexter, Mad Men e House estão no páreo. E Globo de Ouro foi para a badalada produção da HBO, Boardwalk Empire, para Steve Buscemi.

– A sumida Michele Pfeiffer vai ao palcopara nos apresentar a Alice no Paísdas Maravilhas.

– Melhor ator coadjuvante de série de TV, mini-Série ou filme para TV. E que surpresa: o prêmio vai para Glee, para Chris Colfer.- Bruce Willis no microfone agora e apresentaruma prévia de seu filme Red que concorre em melhorde comédia/musical.

– De volta dos comerciais, mais uma premiação. A de melhor filme para TV ou mini-série. A favorita The Paificé desbancada por Carlos.

– Começou! Com Rick Gervais fazendo referências a The Walking Dead, a última temporada de Lost.

– Scarlett Johansson sobe ao palco. Primeira premiação é de melhor ator coadjuvante. E o Globo de Ouro vai para o cabeludo Christian Bale por The Fighter (ainda não sei a tradução usada aqui no Brasil).

– A melhor atriz de série dramática: Katey Sagal por Sons of Anarchy.

– Os primeiros artistas já começam a desfilar pelo tapete vermelho de mais uma edição do Globo de Ouro.








PALPITEIRO BRASILEIRO

Campeonato dos Palpiteiros - Temporada 2019

Blog do Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Atual Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. É o Reitor da UniRegistral. Palestrante e conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Abraccine - Associação Brasileira de Críticos de Cinema

Site com atividades e informações sobre a associação que reúne profissionais da crítica cinematográfica de todo o Brasil

Sinfonia Paulistana

um novo olhar

%d blogueiros gostam disto: